Araçatuba,
Texto Menor
Texto Maior
Contraste
Portal da
Transparência
Acesso à
Informação
e-SIC
Verdade ou Boato
Confira se uma notícia é verdadeira ou falsa
Notícias
27/05/2009 21:35:46
89 crianças e adolescentes esperam por adoção em Araçatuba

 Quase 90 crianças de Araçatuba estão à espera de adoção em dois abrigos da cidade, na Casa da Criança e na Casa Abrigo. Deste total, 44 são mulheres e 45 são homens. Os números foram divulgados pela assistente social do Fórum, Clélia Aparecida Torres Guedes, durante a palestra Adoção Legal, realizada nesta quarta-feira, dia 27/05, na Câmara Municipal, em sessão especial da Adoção. Além das crianças do município, há outras 12 em situação de abrigamento provisório que são de cidades da região.

 A maioria dos abrigados é pré-adolescente, na faixa etária entre 11 e 12 anos. Cadastrados no Fórum com pretensões de adotar existem atualmente 22 casais. "O problema é que quase todos os casais querem bebês e na cor branca", revela Clélia. Segundo ela, as principais causas de abrigamento são abandono dos pais, abuso sexual e ausência de pais ou responsáveis por doença.

Diante desses números, a presidente da Câmara, vereadora Edna Flor (PPS), se comprometeu a buscar políticas públicas para tentar minimizar a questão do abandono no município. As vereadoras Durvalina Garcia (PT) e Tieza (PSDB, também participaram da sessão especial, que contou ainda com a presença de integrantes da Associação de Pais e Filhos Adotivos, da Aibi, entidade italiana que trabalha com crianças e adolescentes à espera de doação, e de famílias que já concretizaram a adoção. 


 Enquanto permanecem nos abrigos essas crianças e adolescentes recebem educação, alimentação, segurança e desenvolvimento integrado à sociedade. Desde que o Dia Nacional da Adoção, comemorado em 25 de maio, foi implantado, as vitórias são muitas. Em 81 cidades brasileiras, pais e pretendentes à adoção, pesquisadores, profissionais e voluntários, reúnem-se periodicamente para debater o assunto.


 Para estas pessoas, os projetos de adoção em suas vidas passaram do estágio de realização pessoal para se transformar em exercício cidadão na construção de possibilidades efetivas para garantir o direito à convivência familiar e comunitária das crianças e adolescentes.

Fonte: Assessoria de Comunicação: Paula Todesco/ Foto: Angelo Cardoso
Compartilhe:
<< Página Anterior